Artigo 26 Maio 2020

A era pós Covid-19. A nova normalidade na relação talento-empresa

109

Donald A. Schön detalha em seu livro “The Reflective Practitioner: How Professionals Think In Action” três tipos de conhecimentos. Um deles é a reflexão na e durante a ação, o conhecimento que adquirimos enquanto agimos.

A crise da COVID-19 destacou a necessidade de tomar decisões ágeis em um contexto amplamente incerto. Enquanto tomamos essas decisões, de acordo com a teoria de Schön, aprendemos e imaginamos uma nova maneira de fazer coisas que, sem dúvida, afetarão o relacionamento das empresas com seus profissionais.

Na LLYC, queríamos tirar proveito desse conhecimento compartilhado e do aprendizado na tentativa de lançar alguma luz em um contexto complicado. Por esse motivo, conversamos com profissionais de comunicação e recursos humanos de empresas como Ecoembes, EY, IKEA, Cosentino, Iberdrola, Enagás, Novartis, Bankia, Indra, Naturgy e Coca Cola. Este artigo coleta os resultados dessas conversas para aprofundar a realidade pós-COVID e os desafios que as empresas terão que enfrentar em seu relacionamento com talentos.

8 novos cenários na relação empresa-talento

  1. Ascensão de uma nova liderança.
  2. A transferência do controle de mensagens.
  3. Digital: uma transformação, sim, também cultural.
  4. Pessoas e suas emoções no centro da tomada de decisão.
  5. Retorno ao básico para responder à incerteza.
  6. Do orgulho de pertencimento latente à patente
  7. Comunicação interna para criar confiança.
  8. O nascimento de uma nova escala de valores.

A ASCENSÃO DE NOVAS LIDERANÇAS

Em 3 de maio, o New York Times publicou um artigo muito revelador para falar sobre a nova maneira de liderar com uma manchete ainda mais relevante: “Os líderes estão chorando no trabalho e pode ser uma boa notícia”. Entre outros casos, inclui uma referência ao vídeo que o CEO da Marriott, Arne Sorenson, compartilhou com sua equipe. Para muitos, uma lição de liderança baseada em honestidade, clareza e transparência.

As conclusões do artigo são muito semelhantes às percebidas pelos especialistas. “Não estamos em uma crise convencional, por isso temos visto líderes agindo de maneira diferente e isso destacou a necessidade de uma nova liderança, que nasce da profunda compreensão da situação do outro”, diz Luisa Alli, Diretora de Comunicação da IKEA Ibérica. “Isso requer a criação de um clima que favoreça e não penalize os pontos fracos da verbalização. Muitos funcionários se sentirão culpados por trabalhar em casa enquanto houver colegas na loja ou no escritório, ou por não conseguirem todo o trabalho que desejam. Se existe um clima de confiança, empatia e solidariedade, no qual, por exemplo, a família é normalizada, há espaço para a compreensão e não para a culpa”.

Desta forma, Teresa Gallastegui, Diretora de Pessoas e Organização da Ecoembes, está certa que a crise será um verdadeiro teste decisivo para os líderes. “Em situações de crise, é quando você vê o verdadeiro líder. Comunicação, colaboração, transparência e inovação são alavancas essenciais das quais as organizações agora precisam. Além disso, incorporaria dois aspectos que estão se tornando cada vez mais importantes e serão críticos; gerenciar a incerteza e aprender rapidamente. Operamos em um ambiente cada vez mais dinâmico, complexo e incerto e precisamos de pessoas capazes de olhar otimista para o futuro e criar oportunidades em ambientes de mudança”.

“Não estamos em uma crise convencional, por
isso temos visto líderes agindo de maneira diferente e isso destacou a necessidade de uma nova
liderança, que nasce da profunda compreensão da situação do outro” – Luisa Alli, Diretora de Comunicação, IKEA Ibérica

Delfina Pérez, Diretora de Desenvolvimento e Seleção de Pessoas do Bankia, acrescenta: “Acho que iremos para uma liderança cada vez mais inclusiva, orientada a promover o crescimento e a responsabilidade da equipe, liderança baseada na responsabilidade individual, confiança e na atribuição. Liderança consciente da importância de equipes diversas e coesas”.

A comunicação é outro atributo dessa nova liderança. Esther Castaño, Head Global de Comunicação Interna da Iberdrola, garante que “um líder que não se comunica não é um líder e, nessas circunstâncias, ainda mais. Os líderes precisam transmitir mensagens de calma, atenuar a incerteza de uma maneira muito humana, de você para você”. Inmaculada Vela, Head de Comunicação Interna da EY, também acrescenta as qualidades de honestidade e transparência: “Trata-se de contar as coisas como elas estão acontecendo com responsabilidade, proximidade e humildade; nossos profissionais precisam saber que são nossa prioridade, que somos uma equipe, uma ótima família e que seguimos na mesma direção para superar todas as adversidades”.

“Trata-se de contar as coisas como elas estão acontecendo com responsabilidade, proximidade e humildade; nossos profissionais precisam saber que são nossa prioridade, que somos uma equipe, uma ótima família ” – Inmaculada Vela, Head de Comunicação Interna, EY España

O novo líder deixa o paternalismo de lado para ser mais próximo, acessível e transparente, o que nos leva a um conceito extremamente interessante que poderia ser concebido a priori, contrário ao líder: vulnerabilidade. “Se você me perguntar o que vai acontecer, vou lhe dizer que não sei. Essa frase na boca de um líder poderia nos surpreender antes, mas não é mais corajoso reconhecer suas próprias limitações? Em uma situação de crise como essa, trata-se de informar tudo o que estamos fazendo e transmitir que estamos tentando o nosso melhor para encontrar soluções e antecipar problemas, e no momento em que somos questionados sobre algo que não fazemos, nós temos a resposta, basta dizer isso mesmo”, diz Jordi García Tabernero, Diretor Geral de Comunicação e Relações Institucionais da Naturgy. Para o diretor, a chave é “reconhecer a incerteza e garantir o que pode ser dado, porque o silêncio gera ansiedade, preocupação e boatos. A comunicação com os funcionários é essencial. A empresa deve ser uma das fontes de informação mais confiáveis”.

“Um líder que não se comunica não é um líder e, nessas circunstâncias, ainda mais. Os líderes precisam transmitir mensagens de calma, atenuar a incerteza de uma maneira muito humana, de você
para você” – Esther Castaño, Head Global de
Comunicação Interna, Iberdrola

A TRANSFERÊNCIA DE CONTROLE NAS MENSAGENS

Se a proximidade é um valor crescente, parece evidente que o papel dos gerentes de nível intermediário será cada vez mais relevante. Eles são os grandes aliados da comunicação, aqueles que servem de elo entre a empresa e os profissionais e aqueles que se tornam a primeira referência dentro da organização.

Da Cosentino, Maria Luisa García, Chefe de Comunicação Interna, e Santiago Alfonso, Diretor de Comunicação e Marketing, estão convencidos da capacitação dos gerentes de nível intermediário. “Tanto se o trabalho remoto está aqui para ficar ou a força de trabalho da fábrica, o papel do gerente é essencial para transmitir confiança. Eles são os facilitadores e os que garantem que as mensagens chegarão à organização. Embora todos os nossos profissionais tenham acesso às mensagens corporativas por meio dos painéis de aplicativos e informações da empresa, eles são os responsáveis ​​pela mobilização na fábrica. Eles garantem que as mensagens penetrem e, se necessário, reforçam-nas.”

Luisa Alli, da IKEA, ressalta que isso também implica estar atento e até favorecer a perda do controle das mensagens: “O sucesso da comunicação depende diretamente de 300 profissionais. Os gerentes de nível intermediário são a rede que transmite ânimo e cria confiança. Existem inúmeras regras e regulamentos para não sair da linha, ser correto e obediente, mas chegou o momento de os gerentes assumirem o comando da equipe, para não ter medo de correr riscos. Embora possa parecer um alto risco, o que ganhamos é muito mais poderoso. As coisas estão acontecendo na base da pirâmide e precisamos aproveitar a liderança espontânea para usá-la em favor da comunicação”.

“Tanto se o trabalho remoto está aqui para ficar ou a força de trabalho da fábrica, o papel do gerente é essencial para transmitir confiança” – Santiago Alfonso, Diretor de Comunicação e Marketing, Cosentino
María Luisa García, Chefe de Comunicação Interna, Cosentino

Digital: uma transformação, agora sim, também cultural

Há anos que conversamos sobre transformação digital, tentando implementá-la com planos de ação, pilotos, especialistas e processos, mas a transformação não terminou em nossas organizações. De fato, há um estudo devastador da Harvard Business Review que afirma que 91% das organizações falham em processos desse tipo.

No entanto, durante a crise da Covid, as empresas evoluíram rapidamente no caminho da digitalização para manter o ritmo e a qualidade do trabalho: “Demos um passo gigantesco na transformação digital. Digitalizamos de uma só vez. Quando tudo isso acontecer, seremos mais digitais, ágeis e eficientes. Pode-se dizer que estamos evoluindo para a proximidade”, comenta Teresa Gallastegui, da Ecoembes. A pergunta que segue pode ser apenas uma: o que impediu você na era pré-crise de se transformar completamente em uma empresa digital? “Tínhamos as ferramentas, mas não a cultura. A relutância em usá-las desapareceu e, embora estejamos acompanhando nossos profissionais com treinamento, a ‘digitalização imposta’ está se tornando um acelerador de nossa cultura digital”.

Neste sentido, ao falar sobre digitalização, Juan José Berganza, Diretor de Comunicação e Marca da Indra, comenta que o novo modelo de trabalho também exige um nível mais alto de preparação e gerenciamento eficaz de tempo e agendas: “Sem dúvida, o gerenciamento de equipes agora é diferente, requer um modelo mais estruturado”.

Na nova cultura digital, o teletrabalho teve um papel evidente, como destacou Jordi García Tabernero, da Naturgy: “A Covid trouxe uma mudança de paradigma na maneira de trabalhar e se relacionar com terceiros que veio para ficar. Antes da crise, o teletrabalho era caracterizado como uma categoria menor de trabalho, nem as organizações nem os indivíduos pensavam que ele poderia ser compatível com o trabalho presencial de uma maneira realmente eficaz. No entanto, foi demonstrado que é possível continuar o trabalho realizado no escritório em casa com eficiência e produtividade.”

“Demos um passo gigantesco na transformação digital. Digitalizamos de uma só vez. Quando tudo isso acontecer, seremos mais digitais, ágeis e eficientes. Pode-se dizer que estamos evoluindo para a proximidade” – Teresa Gallastegui, Diretora de Pessoas e Organização, Ecoembes

As pessoas e suas emoções no centro da tomada de decisões

“É essencial ter um entendimento profundo do que está acontecendo com nossos profissionais e, para isso, as primeiras ações são ouvir e identificar quais são seus problemas e estruturar o que as pessoas precisam ouvir. A chave é verificar se a mensagem que a empresa lança responde à necessidade do profissional”, explica María Luisa Benlloch, Responsável pela Comunicação Interna da Novartis.

Sara Blázquez, Diretora de Comunicação e Relações com a Mídia da Coca-Cola Iberia, concorda: “Deve haver uma abordagem pessoal para entender a realidade das pessoas que formam sua equipe e, assim, conectarem-se aos interesses uns dos outros. Qualquer problema que detectamos nas equipes, tanto profissional quanto pessoalmente, nos reportamos ao nosso comitê executivo para que as decisões tomadas sejam baseadas nas circunstâncias pessoais de nossos profissionais”.

Seguindo a mesma linha da Naturgy, Jordi García Tabernero explica como a empresa identifica os “primeiros funcionários” e mostra que são mais que palavras bonitas: “na reunião de cada comitê, os dois criaram ad hoc para o monitoramento operacional de crises, como a da alta administração e mesmo durante a gestão do conselho de administração, em cada um deles, o primeiro item da agenda é uma pergunta: como estão nossos funcionários hoje e o que mais podemos fazer por eles?”

Para Victoria Cortés, Gerente de Comunicação Interna da Enagás, “o objetivo sempre foi informar com transparência e transmitir segurança. Mas também nos preocupamos muito em destacar o trabalho, o esforço e o comprometimento de nossos profissionais em todas as comunicações corporativas, dentro e fora da empresa”.

“O objetivo sempre foi informar com transparência e transmitir segurança. Mas também nos preocupamos muito em destacar o trabalho, o esforço e o comprometimento de nossos profissionais ” – Victoria Cortés, Gerente de Comunicação Interna, Enágas

Voltar ao básico para responder à incerteza.

“Verificamos que os valores da Coca-Cola, com 134 anos de história, ainda estão em vigor para superar essa adversidade. Nós provamos ser uma empresa resiliente, empática, universal e democrática. A capacidade de adaptação está em nosso DNA e nós a comprovamos mais uma vez”, diz Sara Blázquez.

A incerteza nos forçou a considerar nosso objetivo como empresas para alavancar nossos valores e reconhecer nossa cultura mais profunda. “É essencial ter sua lição de casa pronta quando surgir uma crise inesperada. Portanto, você não se preocupa com o que automatizou ou aprendeu e se concentra em outros problemas. A comunicação, por exemplo, já fazia parte do DNA da organização, não era uma opção antes, muito menos agora. Por esse motivo, não tivemos que criar novos canais, mas reforçar o que já estávamos fazendo naturalmente”, diz Esther Castaño, da Iberdrola.

Do mesmo modo, Teresa Gallastegui, da Ecoembes, afirma: “Essa situação revelou e traz à tona coisas que foram trabalhadas anteriormente. Se você não tem as estruturas do compromisso com o talento bem afirmado, o risco de desconectar seus profissionais é muito alto. No nosso caso, a resposta da equipe da Ecoembes a essa crise foi excepcional.”

A crise da COVID foi para as empresas o momento de demonstrar se o que disseram tantas vezes é verdadeiro e isso é percebido pelo profissional com mais intensidade do que nunca.

“Os valores da Coca-Cola, com 134 anos de história, ainda estão em vigor para superar essa adversidade. A capacidade de adaptação está em nosso DNA ” – Sara Blázquez, Diretora de Comunicação e
Relações com a Mídia, Coca- Cola

Do orgulho do pertencimento latente à patente

Em busca de respostas e segurança, os funcionários se reconectaram às suas empresas. No caso da Novartis, María Luisa Benlloch, comenta que recebeu centenas de mensagens de agradecimento “isso não acontece todos os dias ou em nenhuma empresa, somente quando você verificar se sua empresa está de acordo com as circunstâncias e, acima de tudo, cuidar de seus funcionários”.  Do mesmo modo, Sara Blázquez sabia que a Coca-Cola Iberia era uma empresa com um forte senso de pertencimento, “mas nesta fase, ficou mais evidente através de comentários e mensagens em todos os canais. As pessoas passaram de sentir isso para ter a necessidade de manifestá-lo, compartilhá-lo”.

Nessa mesma linha, Victoria Cortés de Enagás, não apenas notou um aumento muito notável no envolvimento dos profissionais com as comunicações corporativas, mas também: “Essa crise aumentará o orgulho de pertencer, porque o papel principal demonstrou que atuamos como organização. Algo semelhante acontecerá em todas as empresas que possuem profissionais comprometidos com os outros e que estão vinculados com o futuro da sociedade e a criação de valor.”

Delfina Pérez, do Bankia, é clara: “O relacionamento com nossos profissionais foi profunda e subitamente enriquecido e transformado. Tudo isso que vivemos e estamos vivendo serviu justamente para reforçar o relacionamento com os profissionais e seu compromisso, porque ficou clara a importância de cada uma das pessoas que fazem parte da equipe do Bankia, que se mostrou como uma equipe coesa, comprometida e responsável.”

Jordi García Tabernero, da Naturgy, acrescenta: “A resposta que tivemos como empresa, não apenas pelas medidas internas que adotamos para proteger nossos funcionários, mas também pelo compromisso que demonstramos com a sociedade, reforçou consideravelmente nosso orgulho de pertencer a uma empresa com nossos profissionais. Eles foram mais receptivos, promoveram muitas das ações que lançamos; e também foram mais proativos, não pararam de propor iniciativas de solidariedade e de disponibilizar seu trabalho à sociedade. Além disso, fizeram isso com sua marca na bandeira, tornando-se seus melhores embaixadores. Todos nós trabalhamos – empresa e talento – na mesma direção”.

Luisa Alli, da IKEA, aponta para uma possível causa: “Nestes tempos difíceis, os profissionais percebem como você está. E é nesses momentos, os da VERDADE com letras maiúsculas nas quais você reforça o compromisso ou o perde, talvez, para sempre”.

“O relacionamento com nossos profissionais foi profunda e subitamente enriquecido e transformado. Tudo isso que vivemos e estamos vivendo serviu justamente para reforçar o relacionamento com os profissionais ” – Delfina Pérez, Diretora de Desenvolvimento e Seleção de Pessoas, Bankia

Comunicação interna para criar confiança

Se há alguma evidência dessa crise, é a importância de ter uma força de trabalho comprometida, que se esforça e o faz todos os dias, que segue na mesma direção e sabe como se adaptar às circunstâncias. Isso só pode ser alcançado com a criação de ambientes confiáveis ​​por meio de comunicação permanente com o funcionário, de maneira simples e direta. E isso é comunicação interna. Por isso, estou convencido de que o papel dos comunicadores em qualquer empresa será fundamental para transferir os desafios que enfrentaremos e atingir os objetivos”, afirma Victoria Cortés, da Enagás.

Todos os especialistas concordam que o papel da comunicação, e mais especificamente desta com o talento, se tornou muito importante nestes dias difíceis, uma relevância que, sem dúvida, continuará no futuro. “Era essencial se comunicar em tempo real e de forma empática, transparente e inovadora. Conseguimos nos conectar ainda mais com nosso público interno e que nossas mensagens fossem mais difundidas. Mas, sem dúvida, esse resultado também se deve à consistência. O que fizemos e as mensagens transmitidas foram totalmente alinhadas com nossa cultura e atitudes; esse DNA que nos torna únicos e que está presente em todos e em cada um de nossos profissionais”, afirma Inmaculada Vela, da EY.

Em uma linha muito semelhante, María Luisa Benlloch, da Novartis, comenta: “Em tempos difíceis, você precisa estar acompanhando. Isso acontece em ambientes menos corporativos e mais humanos que não devem parar de se comunicar. Precisamos aumentar a frequência, mas também construir mensagens mais próximas e empáticas”.

“O relacionamento com nossos profissionais foi profunda e subitamente enriquecido e transformado. Tudo isso que vivemos e estamos vivendo serviu justamente para reforçar o relacionamento com os profissionais ” – Delfina Pérez, Diretora de Desenvolvimento e Seleção de Pessoas, Bankia

Sobre este tema, Delfina Pérez, do Bankia, enfatiza o potencial das palavras por sua capacidade de criar realidades: “está em nossas mãos trabalhar uma comunicação positiva, destacar sucessos e celebrar bons resultados, sem esquecer-se de deixar um espaço para gerenciar as dúvidas ou medos que possam surgir em nossas equipes para permitir que cresçam como profissionais”.

Maria Luisa García e Santiago Alfonso, da Cosentino, por sua vez, afirmam que a transformação virá do trabalho por objetivos, como consequência da realocação, do modo que a confiança desempenhará um papel essencial nas empresas no que diz respeito ao relacionamento com os funcionários. “Atualmente, a comunicação interna foi reforçada e valorizada novamente, estamos convencidos de que será um aliado estratégico em todas as áreas da empresa”.

Uma comunicação que precisará criar novos canais de relacionamento com o talento: “A ausência física condicionará claramente o modelo de comunicação. Temos que repensar as ferramentas que usamos. Não se trata de forçar um novo canal, mas de aproveitar inteligentemente aqueles que o profissional já utiliza naturalmente”, afirma Juan José Berganza, da Indra.

“Em tempos difíceis, você precisa estar acompanhando. ” – Delfina Pérez, Diretora de Desenvolvimento e Seleção de Pessoas, Bankia

O nascimento de uma nova escala de valores

As prioridades das pessoas também foram profundamente afetadas durante a crise. “O significado da vida, tanto pessoal quanto profissionalmente, foi questionado. Essa reflexão vital vai impactar a escala de valores como funcionários, pessoas, sociedade e empresas não podem ignorar essa mudança”, diz Delfina Pérez, do Bankia.

“ Os profissionais esperam liderança de sua empresa. Sem dúvida, estamos testemunhando um boom de “ativismo dos funcionários” vinculado à sustentabilidade, questões sociais e boa governança” – Jordi García Tabernero, Diretor Geral de Comunicações e Relações Institucionais, Naturgy

Jordi García Tabernero concorda sobre o que valorizamos nas empresas e o que procuramos na área mudou. Agora, mais do que nunca, exigimos que fossem responsáveis ​​com o meio ambiente, que demonstrem solidariedade e que se levantem para a ocasião. Alguns, como Naturgy, viram como sua reputação durante o período de crise aumentou fortemente em comparação com o período da crise anterior. “Os funcionários são nosso primeiro ativo. Essa crise revelou que devemos capacitá-los a também contribuir com sua visão da empresa. O que ficou claro é que eles esperam liderança de sua empresa e que agem não apenas para proteger seus interesses, mas também para protegê-los da sociedade como um todo. Sem dúvida, estamos testemunhando um boom de “ativismo dos funcionários” vinculado à sustentabilidade, questões sociais e boa governança”.

“Isso também mudará nossa marca de empregador?”, Juan José Berganza, da Indra, se questiona, “É cedo para descobrir, mas provavelmente veremos como, ao escolher um local para trabalhar no futuro, levaremos mais em conta outros valores, como segurança, que até agora eram menos proeminentes”.

Um futuro cheio de reflexão e análise se abre diante de nós. Pode parecer cedo para fazer um balanço, pois precisaremos de mais perspectiva para analisar algumas mudanças. Mas é indubitável que a crise produzirá novos desafios no relacionamento entre empresas e talentos. Somente se os enfrentarmos e os resolvermos, seremos capazes de trabalhar com sucesso na nova normalidade, porque se os profissionais foram essenciais durante a crise, serão ainda mais durante a recuperação.

“ Veremos como, ao escolher um local para trabalhar no futuro, levaremos mais em conta outros valores, como segurança” – Juan José Berganza, Diretor de Comunicação e Marca, Indra

Este artigo foi escrito graças à colaboração de Delfina Pérez, Diretora de Desenvolvimento e Seleção de Pessoas da Bankia; Sara Blázquez, Diretora de Comunicação e Relações com a Mídia da Coca-Cola Iberia; Santiago Alfonso, Diretor de Comunicação e Marketing e María Luisa García, Chefe de Comunicação Interna da Consentino; Teresa Gallastegui, Diretora de Pessoas e Organização da Ecoembes; Victoria Cortés, Gerente de Comunicação Interna da Enagás; Inmaculada Vela, Head de Comunicação Interna da EY; Esther Castaño, Head Global de Comunicação Interna da Iberdrola ; Luisa Alli, Diretora de Comunicação da IKEA; Juan José Berganza, Diretor de Comunicação e Marca da INDRA; Jordi García Tabernero, Diretora Geral de Comunicações e Relações Institucionais da Naturgy; María Luisa Benlloch, Responsável pela Comunicação Interna da Novartis;Rocio Tornero, consultora de Talent Engagement da LLYC, também participou desta elaboração.

 

 

 

 

 

María Obispo
Diretora da Área Digital
Maria é uma especialista em marcas patronais, defesa dos empregados e digitalização. Ela trabalha na LLYC há dez anos. Ela tem mais de 14 anos de experiência no mundo da comunicação, tanto em empresas de mídia e seguros como em empresas cotadas em bolsa. É licenciada em jornalismo pela Universidade de Navarra e tem um PDD da Escola de Negócios IESE. Ela participa como professora convidada em diferentes cursos de mestrado e pós-graduação. Durante a sua carreira assessorou algumas das principais marcas e empresas em Espanha como Repsol, Mercadona, Caixabank ou Campofrío.
Luisa García
Sócia e Diretora-Geral Espanha e Portugal
Luisa iniciou sua carreira em nossa empresa em 1999 no escritório de Madrid. Em 2002, assumiu a responsabilidade de fundar a operação do Panamá, que em somente quatro anos passou a ser a primeira consultoria de comunicação do país e de toda a região centro-americana. Entre 2007 e 2013 dirigiu o escritório LLYC no Peru, líder do setor no país e a única consultoria de comunicação que recebeu cinco prêmios ANDA e um Gold SABRE. Luisa foi CEO para a Região Andina é Chief Operating Officer (COO) para a América Latina. Foi eleita como uma das 50 mulheres de negócios mais influentes da América Latina pela publicação Latin Business Chronicle em 2013 e 2014, Luisa é licenciada em Ciências da Informação, especialidade Publicidade e Relações Públicas, pela Universidade Complutense de Madri e MMBA pela Universidade Adolfo Ibáñez do Chile,

Queremos colaborar com você

Qual o seu desafio?

Quer fazer parte da nossa equipe?

Quer nossa participação no seu próximo evento?