Argentina 14 nov 2019

A sexta linguagem: um novo código para os nativos digitais

79

Os nativos digitais, de acordo com uma pesquisa mundial da Cisco[1], são pessoas que valorizam o acesso à Internet tanto quanto o ar que respiram, a casa em que vivem e os alimentos que comem (56% de respostas positivas), e não poderia viver sem ela (60% de respostas positivas). Suas vidas são organizadas simultaneamente entre as conexões de rede, as telas sensíveis ao toque, as conexões sem fio e os objetos e pessoas que os cercam. Eles não são melhores nem piores, apenas diferentes, muito diferentes. Neurologicamente e, em breve, antropologicamente diferentes.

De 1995 até hoje, o mundo mudou e, naturalmente, nossos alunos também mudaram. Foi produzida pela convergência de acontecimentos que foram ocorrendo e sendo gerenciados isoladamente entre os anos 60 e 70, e que se encontraram a partir dos anos 90.

A Internet havia sido criada alguns anos antes de 1995, uma vez que 85% dos usuários eram de América do Norte. Alguns anos depois, estudantes de doutorado da Universidade de Stanford, criaram a empresa Google Inc., com a missão de “organizar a informação mundial para torná-la universalmente acessível e útil”.O nascimento dessas plataformas de negócios que rodam na Internet ocorreu em um clima de euforia do mercado de ações, que parou abruptamente a partir de março de 2000, com a explosão da “bolha pontocom”.

Após o epicentro do colapso do valor na bolsa das novas empresas de base tecnológica, em 2001, Jimmy Wales e Larry Sanger deram vida a outro projeto, a enciclopédia Wikipédia, propôs desde a sua origem a missão de “empoderar e envolver pessoas de todo o mundo para coletar e desenvolver conteúdo educativo sob uma licença gratuita de domínio público e divulgá-la efetivamente em todo o mundo”.

“De 1995 até hoje, o mundo mudou e, naturalmente, nossos alunos também mudaram”

Em 2004 nasceu o Facebook e, no ano seguinte, o YouTube, duas iniciativas bem enraizadas na ideia de uma sociedade que já começava a conectar, compartilhar, marcar e produzir conteúdo on-line. Entre a Wikipédia e essas redes, descobrimos mais tarde que o número de telefones celulares no mundo excedeu o estoque de linhas fixas, atingindo 1.100.000.000 unidades.

Enquanto a onda continuava a crescer e a vertigem se acelerava, a revista Time decidiu homenagear os internautas em sua edição especial da pessoa do ano de 2006. Na capa, você lê “You” (você) na tela de um computador e, abaixo, uma legenda indica: “Sim, você. Você controla a era da informação. Bem-vindo ao seu mundo”. Nesse mesmo ano, nasceu o passarinho da plataforma de microblogging do Twitter e o serviço de streaming de música Spotify, enquanto Julian Assange deu vida ao WikiLeaks.

E, como se isso não bastasse, em junho de 2007 a empresa Apple lançou ao mercado o iPhone, o primeiro telefone verdadeiramente inteligente e precursor de uma ampla categoria de dispositivos, incluindo todos os tablets com tela sensível ao toque. Apenas alguns meses depois, a Amazon lançou sua primeira geração de leitores de livros eletrônicos, o Kindle. Em 2008, nasceu a empresa Airbnb, colocando em xeque o setor de hotéis e, em 2009, o Uber fez o mesmo com o setor de transporte terrestre de passageiros. Também naqueles anos, apareceu o sistema operacional Android e o protocolo bitcoin.

No momento em que escrevemos essas linhas, temos cerca de 4,5 bilhões de internautas que acessam a Internet diariamente , a Wikipédia está alcançando 40 milhões de artigos em mais de 290 idiomas diferentes, o Facebook tem um valor de mercado superior a 500 bilhões de dólares, o YouTube recebe mais de 500 horas de vídeos novos a cada minuto e o Google tem carros autônomos e confessa que sua área do Google Brain cruza todos os projetos importantes da empresa transversalmente.

Pense que a Microsoft (1975), Apple (1978), Amazon (1994), Google (1998) e Facebook (2004) são as maiores empresas do mundo em valor de capitalização de mercado. As cinco foram as principais protagonistas deste novo mundo emergente e todas olham para o conjunto de atores, instituições e práticas educacionais como uma área a ser reinventada.

“Os jovens e adolescentes digitais nativos refinarão ainda mais suas habilidades para usá-las com sucesso, não muitas ferramentas, plataformas e tecnologias, mas códigos culturais e linguagens”

A escola, como a universidade, tem manifestações claras e diárias dessa tensão, que ultrapassam as costumeiras situações de violência física, verbal ou psicológica que convive com intensidade as 48 horas de cobertura oferecidas pela mídia e que incluem egoísmo, desinteresse, falta de amor e solidariedade, distanciamento de normas essenciais de convivência e conduta e, acima de tudo, falta de respeito à autoridade.

Um território particularmente incerto e tratado erroneamente por adultos se relacionada à linguagem. A linguagem permite a conceituação, abstração e reflexão. Por meio dela, a espécie humana aumenta suas chances de dominar o meio ambiente e se beneficiar dele. O ser humano possui um sistema de comunicação generativo, com infinitas formas de combinação, que lhe permite compor, decompor e reorganizar os significados e formatos à vontade. A linguagem, portanto, não apenas nos comunica e nos informa, mas principalmente nos coloca em diálogo com o ambiente de problemas, conflitos, convenções, heranças, desafios e oportunidades.

Segundo Logan, físico do MIT e discípulo do professor Marshall McLuhan, a evolução da linguagem é apresentada como uma cadeia sequencial contínua, com a linguagem oral aparecendo como a primeira forma de comunicação e informação, a escrita e a matemática , seguidos pela ciência, e então o grande salto no tempo em direção à linguagem computacional,, finalmente alcançando a linguagem da Internet . As considerações do autor o levaram a postular firmemente que a educação deveria estar basicamente preocupada em e envolvida no desenvolvimento das habilidades necessárias para o uso de todas as formas de linguagem disponíveis o tempo todo. Portanto, de acordo com Logan, o aparecimento nos últimos 70 anos de duas novas formas de linguagem deveria ser absorvido por e integrado ao sistema educacional.

Por seu lado, a autora Edith Litwin, nos convida a pensar na linguagem do chat como uma decomposição dos gêneros literário, narrativo e conversacional. Ela afirma que o chat, a sexta linguagem de Logan, é a mais fragmentada e conversacional de todas as linguagens escritas.

Os jovens e adolescentes digitais nativos refinarão ainda mais suas habilidades para usá-las com sucesso, não muitas ferramentas, plataformas e tecnologias, mas códigos culturais e linguagens. Na medida em que o sistema educacional não levar isso em sua devida conta, ele não terá outra opção a não ser abrir espaço para dar origem a outros formatos institucionais mais adaptados às necessidades, práticas e realidades desse momento.

Mariano Vila
Diretor-Geral da LLYC na Argentina
Dirigia a área de Assuntos Públicos da Edelman Argentina, onde trabalhou com clientes de diversos setores industriais em temas relacionados com a interação público-privada. Mariano é especialista em análise política e gestão de crises, e possui uma vasta experiência na gestão de interesses, o que o levou a se unir à LLYC como Diretor Sénior de Assuntos Públicos, em 2016. Algum tempo depois, assumiria a Direção de Operações da empresa na Argentina, encarregando-se também da área de Posicionamento e Liderança Corporativa. Havia dedicado grande parte da sua carreira à administração pública na Argentina, como assessor do Conselho Federal do Turismo, órgão do Ministério de Turismo da Nação. Após isso, desenvolveu um trabalho de promoção da Argentina no estrangeiro, com responsabilidades sobre os denominados “mercados distantes”, bem como de coordenação da agenda interministerial da Argentina e das regiões do Cone Sul e Andes para a promoção dos países nesses mercados.
Juan María Segura
Membro do Conselho de Assessores da LLYC na Argentina e Presidente do Congresso de Educação e Desenvolvimento Econômico
Assessor, consultor e especialista em inovação e gestão da educação, Juan María Segura faz parte do Conselho Consultivo da LLYC na Argentina. Diretor Geral de Educação Digital do Ministério da Educação do Governo da Cidade de Buenos Aires (2010). Foi também Diretor Acadêmico e do MBA da UADE Business School, na Universidade Argentina da Empresa (2005-2009). Estudou Engenharia Agrícola na Universidade de Buenos Aires. Posteriormente, fez uma pós-graduação em Administração de Empresas na Universidade Austral da Argentina, outra em Economia e Ciência Política na ESEADE e outra em Artes em Políticas Públicas na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.

Queremos colaborar com você

Qual o seu desafio?

Quer fazer parte da nossa equipe?

Quer que a LLYC participe do seu próximo evento?